A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), a Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP), a Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS), A Associação Nacional de Pesquisa em História (ANPUH), Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguistica (ANPOLL), Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP) manifestam seu repúdio ao vídeo postado em 16 de janeiro pelo secretário de Cultura, Roberto Alvim. 

Com referências explícitas ao nazismo e, especificamente, ao ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, o vídeo apresenta o Prêmio Nacional das Artes numa retórica que não deixa dúvidas: trata-se da aclamação à ideologia de um regime cujos crimes contra a Humanidade ainda hoje horrorizam qualquer pessoa que preze pela vida humana.

A produção cultural de um país é relevante pela sua relação com a vivacidade da população em um espaço nacional, assim como com o contexto internacional em que se inscreve. E isso não se adequa a qualquer dirigismo político. O autoritarismo produz propaganda. Já as sociedades diversas, complexas, nas quais artistas produzem com liberdade de expressão e apoio à arte, produzem o enorme leque de manifestações reconhecidas como parte da cultura nacional.

Estamos diante de um episódio de enorme gravidade. O secretário de Cultura Roberto Alvim deve ser demitido imediatamente. Sua manutenção no governo será a clara sinalização de que o presidente da República se une a ele no elogio ao nazismo e a uma forma claramente autoritária de nacionalismo. E isso é inaceitável.