XXI ESCOLA DOUTORAL FÁBRICA DE IDEIAS

INSCRIÇÕES ATÉ O DIA 29 DE OUTUBRO.

14 a 18 de dezembro de 2020
Primeira jornada

2020 10 fabrica de ideias

 

 

Apresentação

Pandemias têm marcado, ao longo da história, importantes pontos de inflexão nas estruturas e nas dinâmicas do poder político, seja por meio da desestruturação das bases sociais, econômicas e culturais sobre as quais as relações de forças anteriores estavam alicerçadas, seja por meio da emergência e disseminação de novas e mais abrangentes técnicas de controle social de massa, mais facilmente legitimadas por serem, em grande medida, concebidas e aceitas como respostas necessárias ao controle do contágio.
A situação pandêmica causada pela emergência de um novo coronavírus, nos primeiros meses do ano 2020, ocorre em um contexto global já caracterizado por um significativo leque de transformações em curso, tanto no que se refere ao redesenho das formas de legitimidade política eleitoral dentro dos Estados e à redefinição de hegemonias, alianças e rivalidades nas relações internacionais, quanto no que tange a conformação de amplas e difusas coalizões em torno de agendas políticas globais concentradas especialmente na relação da sociedade humana com o meio-ambiente e no combate às várias manifestações estruturais do racismo mundo afora. As novas telecomunicações, baseadas em redes de telefonia móvel, mídias digitais e inteligência artificial, jogam um papel decisivo em ambas as vertentes desse processo: de um lado, possibilitando e potencializando uma circulação inédita de informações, imagens e ideias com potencial mobilizador e emancipatório, propiciando a consolidação de uma gama de novos produtores de conteúdo representando lugares de fala específicos, antes silenciados; de outro, viabilizando tecnicamente a recolha instantânea de dados populacionais segmentados e altamente granularidades sobre deslocamentos, interações sociais físicas e digitais, opiniões, gostos, aspirações e medos, processados por algoritmos auto programados que tendem a estruturar pessoas e seus comportamentos conforme as hierarquias sociais dominantes, reforçando-as circularmente, sob lógicas voltadas à fetichização da própria experiência humana, ou à sua governamentalização.

As tentativas dos diferentes governos de estancar ou controlar a curva de contágio tiveram impactos significativos em variadas esferas: fechamento de fronteiras internas e externas, quarentenas, lockdowns, toques de recolher, isolamento ou distanciamento social, uso obrigatório de máscaras no espaço público, testagens obrigatórias, índices de isolamento social calculados por meio do georreferenciamento maciço de telefones celulares, fechamento de shopping centers, escolas e igrejas (os principais vértices da interação social física na maior parte do mundo). De uma forma ou de outra essas medidas, isoladamente e em suas infinitas combinações, criaram novas realidades desigualmente vivenciadas conforme as linhas de classe, raça, gênero, nacionalidade, escolaridade, ruralidade, geração e outras. Em particular, a proibição das atividades econômicas definidas como não-essenciais levou à brusca ampliação do teletrabalho e ao aprofundamento da uberização, com esquemas abrangentes de assistência social emergencial (geralmente na forma de helicopter money) sendo negociados em troca da desregulação do mercado de trabalho e do desmonte de direitos trabalhistas. A intensificação da convivência familiar também desponta como um processo multifacetado e com profundas consequências sociais e culturais, como as necessidade de equacionamento do uso de equipamentos de comunicação para trabalho e estudo por diferentes membros da família, o tensionamento dos papeis de gênero em sua relação com o universo doméstico (com um correspondente aumento dos índices de violência doméstica e a ampliação das diferenças de produtividade entre homens e mulheres), mudanças nos hábitos de consumo, restrições a relações afetivo-sexuais entre adultos solteiros, entre jovens que vivem com os pais ou extraconjugais, aumento da audiência de redes sociais, plataformas de streaming e pornografia, etc.

Os processos em curso se dão em meio à emergência de novos atores, novas pautas e novas formas de articulação de agendas anteriores. Nos últimos meses tem sido notável a mobilização transnacional de entregadores de aplicativo, a explosão social mundial em torno do Black Lives Matter, a consolidação Green New Deal como uma alternativa à catástrofe ambiental. São cada vez mais evidentes as mudanças de sensibilidade em relação ao racismo estrutural por parte de setores reativos a este debate como, por exemplo, aqueles que se expressam na mídia “tradicional” consolidada.

A vida social emerge (ou submerge) como que num campo de batalha entre utopias e distopias.
Diante deste quadro complexo, importa questionar até que ponto a atual crise pandêmica representa uma oportunidade de crescimento e de mudanças de paradigmas, ou se, diversamente, constitui o prelúdio para a perpetuação de práticas discriminatórias e para o progressivo enfraquecimento dos mais vulneráveis a nível global e local.

Objetivo Geral
• Refletir sobre os impactos da pandemia do ponto de vista das reconfigurações sociais impostas pelo isolamento social, bem como a participação efetiva do Estado na condução dessa crise global e na fabricação das novas agendas políticas em contextos transcontinentais.

Obetivos Específicos
• Investigar a gramática da pandemia (lockdown, new normal, paradigma imunológico etc.) à luz das teorias contemporâneas e do pensamento sociológico clássico para revisitar velhos conceitos e suas aplicações em contextos pandêmicos.
• Refletir sobre possibilidades emergentes decorrentes do colapso global das agendas políticas e das narrativas polarizadas que sustentaram o século XX;
• Enfrentar as crises econômicas que se anunciam e seu impacto nos processos de reinvenção social;
• Entender a emergência de novas pautas e novos atores globais e os desafios postos à construção de um mundo pós-pandemia.


Edição Virtual Global – 2020/2021

A XXI edição da Escola Doutoral Fábrica de Ideias será integralmente realizada por meio virtual, em duas jornadas – a primeira, com duração de uma semana, entre 14 e 18 de dezembro de 2020; e a segunda, com duração de duas semanas, em maio de 2021, em datas ainda a definir).

Seleção internacional

Aos participantes desta edição da Fábrica de Ideias serão escolhida/os por meio de um processo de seleção internacional, a cargo da Comissão Organizadora.
Podem concorrer à seleção estudantes regulares de doutorado, e, excepcionalmente, estudantes regulares de mestrado que demonstram uma forte correlação entre sua pesquisa e o tema desta edição da Fábrica de Ideias.

A seleção levará em conta primariamente o mérito científico do projeto de pesquisa, a trajetória e a produção acadêmica da/o candidata/o (em termos de pesquisa, extensão e intervenção social) e sua motivação. Ao mesmo tempo, será considerada a necessidade de garantir a diversidade do corpo discente em termos de raça, gênero e origem geográfica. Estudantes oriunda/os de grupos sociais historicamente desfavorecidos (quilombolas, ciganos, imigrantes, LGBT etc.) são fortemente incentivada/os a se inscrever, e a explicitar seu pertencimento a esses grupos na carta de motivação.

A divisão em duas jornadas obedece a um critério linguístico. As atividades da primeira jornada serão conduzidas exclusivamente em português, e um bom nível de domínio desse idioma é necessário. Assim, a seleção para essa fase será restrita a candidata/os baseada/os em países de língua oficial portuguesa, na América Latina e nos países caribenhos de língua oficial espanhola – além de estudantes dos programas de pós-graduação associados, independente de sua localização geográfica.

Já a segunda jornada será conduzida primariamente em inglês, e em menor medida em português e espanhol. A organização providenciará um nível básico de tradução entre inglês e português (e vice-versa), e disponibilizará à/aos estudantes selecionados para a segunda jornada o material da primeira jornada legendado.
A/os estudantes selecionada/os para a primeira fase participarão também da segunda.

 

Para maiores informações, acesse o site FÁBRICA DE IDEIAS 2020/2021